• Flavio Moreira

Talentos na realização profissional e realização pessoal - frutos de 2 mundos

Quando aprendemos como são formados nossos talentos, compreendemos muito do que nos trouxe até aqui e para onde mais podemos ir.




Quem nunca ouviu falar na famosa parábola dos talentos? Não importa a religião, ou se nem religioso você é, é provável que pelo menos o nome dessa história já tenha chegado aos seus ouvidos de alguma forma.


Eu não vou entrar no detalhe de contar essa parábola aqui neste post, mas caso você não conheça ou não lembre, pode ler mais sobre ela aqui.


Três servos, diferentes quantidades de talentos distribuídos entre eles e três tomadas de decisão distintas.


Curiosamente, eu fui descobrir - mais recentemente pelos estudos que faço -, que na realidade, os talentos relatados nessa história não são qualidades e capacidades, e sim, uma unidade monetária da época em que essas passagens bíblicas foram escritas. Era como o dólar, o euro ou real de hoje.


E isso ajudou a entender melhor porque se falou em multiplicação desses talentos, com base nas decisões tomadas por cada servo.


Ainda assim, a maneira como cada servo pensou e agiu em relação aos tais talentos me ensinou algo muito importante: a nossa própria tomada de decisão e a maneira como enxergamos o mundo influenciam os talentos que desenvolvemos.


Se você reparar, o último servo - o que recebeu um talento -, justificou ter escondido o talento na terra com medo de usar aquele recurso e assim perdê-lo por algum motivo, como se fosse algo errado usar aquele recurso, já que não era dele, e caso o perdesse, seria então punido.


Veja que essa foi a interpretação desse servo em relação ao que poderia acontecer, ainda que não houvesse nenhuma prova plausível disso, como ficou evidente quando o mestre repreende este servo, o taxando de preguiçoso por não ter tido a coragem de ousar tomar ações que pudessem gerar mais lucro em cima daqueles talentos. A mentalidade de escassez predominou na escolha deste servo.


O filósofo e lógico germano-americano, Robert S. Hartman, identificou três diferentes maneiras para darmos valor e resolver as coisas. Todos nós utilizamos esses três caminhos. São eles:


  • Intrínseco - que é uma dimensão focada em pessoas e nos sentimentos;

  • Extrínseca - que é uma dimensão focada no que é material e a comparação entre as coisas, pensamento no que é prático;

  • Sistêmica - que é a dimensão da perfeição, focada em ideias, objetivos, deveres e obrigações, regras, procedimentos e leis. É o pensamento estruturado e abstrato.


Esses três caminhos estão presentes em dois mundos que todos nós enxergamos: o mundo externo e o mundo interno.


Cada um de nós valoriza e utiliza essas três dimensões em cada um desses mundos para tomar decisões e atribuir valor as coisas. Uns usam mais uma ou duas dessas dimensões no mundo externo, outras mais uma ou duas no mundo interno.


E é dessa utilização que entendemos como os nossos talentos vão se moldando. Esse é o tema do último Vem Cmg Podcast, que mostra a importância do entendimento sobre como você funciona nesse aspecto, para usar a seu favor e se aproximar do que você busca quanto a realização profissional e pessoal.


Ouça o programa no topo do post ou assista o vídeo logo abaixo:


Se você quer sair da CLT ou do emprego público para empreender, mas tem a sensação de estar frustrada(o), com medo do futuro e se sente perdida(o) por uma falta de direção e objetivos quanto a sua carreira, eu posso te ajudar. Eu sou Flavio Moreira, especialista em perguntas, e ajudo pessoas a desenvolveram a inteligência emocional para ter clareza e servir com significado. Você pode entrar em contato pelo meu endereço de e-mail, que está nas informações de rodapé aqui no site, ou demais redes sociais de contato. Será um prazer atuar como um facilitador na sua jornada! Fale comigo se você acredita que posso te ajudar!


Saiba mais sobre o Conhece a ti mesmo e veja como ele pode te ajudar em sua realização pessoal e profissional.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo